Empresas se unem para oferecer uma nova oportunidade a mulheres em situação de vulnerabilidade em Paraisópolis

Foi da necessidade de inclusão e empoderamento feminino no mercado de trabalho e, principalmente, nas comunidades que surgiu o Coral Mulheres na Cor, projeto idealizado pela AkzoNobel e que reúne empresas com o objetivo comum de transformar histórias femininas por meio da profissionalização. O programa está iniciando em junho e levará conhecimento e capacitação a mulheres em situação de vulnerabilidade, para que tenham melhores condições para buscar oportunidades de trabalho. A primeira turma piloto irá capacitar 16 mulheres como pintoras decorativas profissionais na cidade de São Paulo.

Ao acumular funções como chefes de família e a jornada em casa, muitas mulheres encontram obstáculos para conseguir a inserção no mercado de trabalho, consolidar-se e ter perspectivas de crescimento profissional, como apontou recente pesquisa divulgada pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV-IBRE). O estudo mostra que desde 2012, a taxa de desemprego da população feminina é superior ao percentual dos homens: o índice era de 16,45% em 2021, o equivalente a mais de 7,5 milhões de mulheres. No total, o percentual médio anual de desemprego na economia foi de 13,20% em 2021. Segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o percentual de domicílios brasileiros comandados por mulheres saltou de 25%, em 1995, para 45% em 2018, devido, principalmente, ao crescimento da participação feminina no mercado de trabalho. Já o Sebrae calcula que cerca de 24 milhões de brasileiras empreenderam no país em 2021. Não à toa, o tema é um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS 5) das Nações Unidas (ONU), que trata de igualdade de gênero, por meio do empoderamento feminino, uma vez que a capacitação de mulheres e meninas tem um efeito multiplicador e ajuda a gerar crescimento social e econômico em geral.

Considerando o segmento a que se destina essa turma do Coral Mulheres na Cor, de acordo com pesquisa realizada em dezembro de 2021 pela Associação Brasileira de Pintores Profissionais (Abrapp), elas representam apenas 10,5% dos membros da entidade, o que mostra que esse é um mercado no qual as mulheres ainda buscam por maior representatividade e têm muito a contribuir. Para estimular a representação feminina na área a AkzoNobel, por meio da sua marca Coral, buscou empresas que compartilham de seu propósito de ser agente de inclusão e transformação social, por meio da sustentabilidade. O SENAI-SP, Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial, um dos cinco maiores complexos de educação profissional do mundo e o maior da América Latina, é o parceiro de ensino do programa. Os parceiros financeiros são Bazar das Tintas, CASACOR, Dow Química, Oxiteno, Tintas MC e WACKER. Os parceiros de ferramentas são Condor e Vonder, e os de empregabilidade, Atala Engenharia e Abrapp. A ONG Fazendinhando é a parceira para relacionamento com as participantes.

Essa nova edição do programa Mulheres na Cor, na área de pintura decorativa, se espelha na bem-sucedida experiência realizada pelo mesmo projeto, em empreitada semelhante encabeçada pela AkzoNobel e apoiada por outras empresas, para a capacitação de mulheres em repintura automotiva, com uma turma recém-formada com participantes já atuando profissionalmente.

“Na AkzoNobel, somos orientados pelo nosso propósito ‘People. Planet. Paint’. Não à toa, as pessoas estão na primeira posição desses três pilares. Por isso, a diversidade e inclusão, junto com a transformação social, são pautas frequentes interna e externamente. Nós nos comprometemos com uma meta global de garantir, pelo menos, 30% de presença feminina em posições executivas até 2025. E olhar para todos os nossos esforços internos sendo traduzidos em programas como esse nos enche de orgulho e inspiração para continuarmos fazendo cada vez mais”, afirma Daniel Geiger Campos, presidente da AkzoNobel para a América Latina. “Acreditamos muito no poder dessa iniciativa, que motivou também outras empresas a entrarem nessa jornada de transformação. A colaboração dos nossos parceiros, que compartilham da mesma preocupação, comprometimento e propósito, é essencial para mudar vidas por meio da capacitação e das cores.” completa.

Daniel ainda destaca que o programa, além de ter seu lado social, também aponta uma oportunidade de mercado e vantagem competitiva. “Olhando para a cadeia de valor do mercado de pintura, enxergamos uma oportunidade de ganhos para todos. Nós, enquanto empresa, fomentamos a capacitação de uma população com enorme potencial para a pintura, abrangendo esse espectro também para mulheres que, quando consideradas, crescem exponencialmente a categoria no mercado. Os consumidores e clientes poderão contar com ainda mais profissionais qualificados e os pintores passam a ter sua categoria ainda mais valorizada.”, complementa.

Conheça o projeto – O público-alvo da iniciativa são mulheres maiores de 18 anos, com escolaridade mínima do 4º ano do Ensino Fundamental, desempregadas ou com renda de até um salário mínimo, que fossem chefes de família com dependentes em idade escolar.

Para dar suporte às participantes durante toda a jornada de três meses, o Coral Mulheres na Cor conta com a parceria do Fazendinhando, movimento de transformação territorial, cultural e social que busca desenvolver a comunidade do Jardim Colombo e seu entorno, uma população de aproximadamente 15 mil moradores, em uma área de quase 15 hectares que integra o Complexo de Paraisópolis, na Zona Sul de São Paulo. A ONG apoiou campanha para divulgar localmente o programa e atrair mulheres com o perfil procurado, auxiliou na seleção e inscrição e é o pilar de relacionamento do projeto, elo entre as empresas e as participantes.

“Estamos muito felizes com a parceria nesse projeto, pois beneficiará mulheres em situação de vulnerabilidade que, agora, encontrarão novos caminhos e possibilidades para a realização de seus sonhos. A maioria encontra-se desempregada: no Jardim Colombo, 73% das moradoras estão fora do mercado formal de trabalho, são chefes de família e buscam oportunidades. Esse será o início de importantes conexões, conhecimento técnico, empoderamento feminino e potencialização de mãos talentosas que lutam diariamente.”, afirma Ester Carro, arquiteta e ativista urbana, presidente da ONG.

Durante dez semanas, essas mulheres receberão um curso completo com conhecimento 360º sobre pintura, totalizando mais de 200 horas. O início será o Curso de Formação de Pintor de Obra, na unidade SENAI Orlando Laviero Ferraiuolo, no Tatuapé, em São Paulo. Elas também participarão do PRINT (Preparação para a Inserção no Trabalho), com conteúdo que apoia o profissional para sua inserção e retenção no mercado de trabalho. O projeto ainda agrega palestras, mentorias e especializações promovidas pelas empresas parceiras. Também será oferecido um curso de 30 horas, na unidade de Mauá da AkzoNobel, pela Academia Coral, plataforma de treinamentos online e presencial da marca, que inclui conhecimento teórico e prático sobre diversos temas, tais como cores e tendências, equipamentos e produtos, aplicação de efeitos decorativos e tecnologias. Além disso, essas mulheres também contarão com o apoio de dois pintores profissionais experientes, Ana Machado e Leandro Piovesan, que acompanharão de perto a jornada de aprendizagem compartilhando dicas, boas práticas e sanando dúvidas.

No decorrer do curso, as participantes receberão bolsa-auxílio, transporte, alimentação, uniforme e Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) custeados pelas companhias apoiadoras. Além disso, todas as formandas ganharão um kit de ferramentas manuais e elétricas, especialmente significativo para as que decidirem seguir jornada independente, com suporte para criar seus perfis e se juntarem à chamada Páginas Coloridas, plataforma digital que conecta consumidores que estão na jornada de pintura à profissionais de qualidade e confiança indicados pela Coral. As mulheres também terão oportunidade, junto aos parceiros de empregabilidade, para uma possível recolocação no mercado, em empresas de construção civil, reformas ou pintura. Mais do que trabalho, o Coral Mulheres na Cor busca levar autoestima e autonomia a esse grupo, almejando que sua capacitação tenha efeito multiplicador e inspirador na comunidade em que vivem.

Deixe uma resposta