Consumidores optam por compras em e-commerce, mas querem voltar a frequentar lojas físicas

A vida do varejista não é fácil. Entender o consumidor é, com certeza, o principal desafio para um empresário que quer ter sucesso nos negócios. Mas, às vezes, nem eles mesmo se entendem. Duas pesquisas diferentes mostram como o dono de uma loja de varejo precisa atender em várias frentes para manter o sucesso.

O consumidor da América Latina e do Caribe estão modificando o seu comportamento em relação a compra e venda. As pessoas estão preferindo navegar mais por um e-commerce e, sempre que possível, optam pela tecnologia de aproximação para os pagamentos. Entre os meses de janeiro a março, mais de 13 milhões de usuários realizaram transação em e-commerce ou o seu primeiro pagamento em aproximação.

Um cenário que pode ser avaliado apontando que a cada duas pessoas de um grupo de dez estão com cartões ativos em modo on-line, podendo representar até 14% do total de contas Visa ativas presentes neste período de Covid-19. Sem dúvidas, o consumidor está concentrando seus gastos em e-commerce.

Em razão desta movimentação diferenciada de consumo, a Visa realizou um estudo e constatou que muitas pessoas sentem a necessidade de realizar compras em lojas físicas, dependendo do produto a ser adquirido, tendo o pagamento por aproximação como o principal método escolhido pelo consumidor. Algo confirmado quando que em mercados de 17 países da América Latina e Caribe registraram a ultrapassagem de dois dígitos na quantidade de pagamentos feitos por essa metodologia.

No Brasil, há o marco de sete milhões de transações mensais da bandeira Visa em dezembro de 2019. Já a partir de março, o aumento desta ação foi de cinco vezes maior de um ano para o outro.

“Os consumidores só mudam sua forma de comprar e pagar quando veem valor em fazê-lo. A pandemia mostrou rapidamente os benefícios do e-commerce e do pagamento por aproximação, influenciando o comportamento do consumidor no momento em que saúde, segurança e higiene são suas prioridades […[“, explica Vanessa Meyer, head de Inovação e Design da Visa América Latina e Caribe.

Insights

A pesquisa da Visa provocou alguns outros apontamentos como que o cartão de débito foi a forma preferida de pagamento em 72% das vezes, com 63% do cartão de crédito e 44% em dinheiro. Além de 17% de consumidores usaram o pagamento por aproximação em suas últimas compras, dando preferência sempre que é disponível.

As pessoas declararam que comprar por um e-commerce é seguro com 39% dizendo que evitar o contato com as pessoas foi o principal motivo para compras virtuais e 26% explica que a única razão que compras on-line são mais fáceis e rápidas.

E um fator interessante é que 59% estão comprando produtos de limpeza e 47% são assinaturas de serviços streaming, como Netflix.

Lojas físicas

A ShopFully, plataforma especializada em shoppers, também realizou uma pesquisa, entre os dias 08 e 10 de junho, para ouvir pessoas de todas as regiões do país, a faixa etária selecionada foi a partir dos 30 aos 49 anos (65%), a maioria era composta por mulheres, aproximadamente, 56,7%. Esta avaliação resultou na inferência de que, apesar das medidas de flexibilização, 62,6% dos participantes acreditam que a “normalidade” voltará apenas em 2021.

Entretanto, quando o assunto discutido é a retomada da rotina de consumo, há sinais de que as pessoas desejam voltar a frequentar as lojas físicas dos municípios que residem. Este levantamento apontou que 78% das pessoas gostariam de receber avisos e informações de reabertura de estabelecimentos comerciais, e 33,5% estão esperançosos que as lojas estejam adaptadas à nova realidade e sigam as medidas sanitárias, por exemplo, obrigatoriedade no uso de máscara, disponibilizar álcool em gel e higienizar ambientes.

Ao serem questionados sobre os produtos que mais sentem falta de realizar compras, 25% afirmaram ser itens de vestuário. Diante desta constatação, as redes Renner e Riachuelo estão entre as cinco lojas mais mencionadas entre os participantes da pesquisa, em seguida as redes de varejo, como Assaí, Lojas Americanas e Atacadão que são classificados como serviços essenciais.

Já em relação as lojas virtuais, o famoso e-commerce, muitos ainda gostariam de manter o hábito de compra on-line. Para 58,3% dos entrevistados, toda vez que surgir uma boa oferta a opção será a compra no varejo eletrônico.

Deixe uma resposta