7º Prêmio de Arquitetura Instituto Tomie Ohtake AkzoNobel prorroga inscrições

Foram prorrogadas, até o dia 8 de julho, as inscrições para o 7º Prêmio de Arquitetura Instituto Tomie Ohtake Akzonobel, que podem ser feitas gratuitamente, online, no site http://premioarquitetura.institutotomieohtake.org.br . 

A iniciativa – voltada a arquitetos brasileiros ou estrangeiros que vivam no Brasil há pelo menos dois anos e que apresentem projetos construídos durante os últimos dez anos – continua a mapear a produção arquitetônica contemporânea, destacando projetos significativos no panorama atual brasileiro. O comprometimento com o sítio de implantação e a sustentabilidade, bem como a inventividade projetual e construtiva, são aspectos fundamentais no processo de avaliação.

O júri, formado pelos arquitetos Diego Mauro, Elisabete França, Fernando Túlio, Juliana Braga e Pedro Varella, anunciará os dez trabalhos selecionados que participarão da exposição prevista na sede do Instituto Tomie Ohtake, de 18 de novembro de 2020 a 7 de fevereiro de 2021, formato e datas que podem sofrer alterações em virtude dos impactos causados pela pandemia do coronavírus. Na inauguração, serão anunciados os três projetos premiados que receberão uma viagem internacional destinada a um membro da equipe de arquitetos responsáveis pelo projeto.

Desde sua primeira edição (2014), o Prêmio de Arquitetura Instituto Tomie Ohtake AkzoNobel recebeu 1.155 projetos inscritos, provenientes de 21 Estados e do Distrito Federal. Na edição passada, 2019, os três premiados foram Pedro Varella (gru.a – grupo de arquitetos) com o projeto A Praia e o Tempo (Rio de janeiro/RJ); Vinicius Andrade, Marcelo Morettin, Marcelo Maia Rosa e Renata Andrulis (Andrade Morettin) e Guido Otero e Ricardo Gusmão (GOAA Gusmão Otero Arquitetos Associados) com o projeto Beacon School (São Paulo/SP) e Cristiane Muniz, Fábio Valentim, Fernanda Barbara e Fernando Viégas (Una Arquitetos), com o projeto Casa 239 (São Paulo/SP).

Coube ao escritório MAPA Arquitetos a Menção Honrosa pelo projeto Capela em Sacromonte (Sacromonte, Maldonado, Uruguai) Já a Menção Honrosa Sustentabilidade foi dedicada à Casa das Birutas (Piracaia, SP), do escritório Gera Brasil Arquitetura e Consultoria, enquanto a Menção Honrosa Cor foi conquistada pela Sede Castanhas de Caju (Bom Jesus das Selvas, Maranhão), projetada pelo Estúdio Flume.

Sobre o júri da 7ª edição

Diego Mauro
Arquiteto e urbanista, curador assistente do Instituto Tomie Ohtake e professor no curso de Arquitetura e Urbanismo da Unib (Universidade Ibirapuera). É mestre pela USP (Universidade de São Paulo) e graduado pela UFBA (Universidade Federal da Bahia), onde também atuou como professor temporário de projeto, em 2012. 

Elisabete França
Arquiteta Urbanista, com mais de trinta anos de experiências em projetos urbanos, ambientais, habitacionais e de mobilidade urbana, atualmente é Diretora de Planejamento e Projetos da CET (Companha de Tráfego de São Paulo) e integra o corpo docente da Faculdade de Arquitetura da Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP). Ao longo de toda a vida profissional tem participando da curadoria de exposições com destaque o Pavilhão Brasileiro na Bienal de Veneza e na Bienal de Rotterdan. Membro do corpo de jurados do Urban21, Prêmio AsBEA, Schindler Global Award (2017), Concurso Público Nacional para a Sede IAB/DF + CAU/BR, entre outros.

Fernando Túlio
Presidente do Instituto de Arquitetos do Brasil – São Paulo, gestão premiada em 2019 pela APCA na categoria Arquitetura. Integrante da comitiva brasileira de 2020 para o Programa de Liderança Executiva em Desenvolvimento da Primeira Infância de Harvard. Graduado pela FAU-USP, mestre em políticas públicas pela FGV e doutorando pela FAU-USP. Foi pesquisador do Lincoln Institute of Land Policy (EUA), do Laboratório de Direito à Cidade e Espaço Público (LabCidade), do Laboratório de Infraestruturas Urbanas Fluviais (Metrópole Fluvial), ambos da FAU-USP, e do Centro Argentino de Implementação de Políticas Públicas para Equidade e Crescimento (CIPPEC). Foi assessor especial de gabinete e chefe de gabinete substituto da Secretaria de Desenvolvimento Urbano da Prefeitura de São Paulo entre 2013-2016. Foi presidente do Conselho Curador da FAU-USP, entre 2009 e 2011.

Juliana Braga
Arquiteta e urbanista formada pela FAU-USP em 2004. Possui mestrado (2010) e doutorado (2018) pela mesma instituição, com pesquisas sobre as contribuições de Flavio Motta ao campo da arquitetura e do ensino. Foi colaboradora e associada ao escritório SPBR arquitetos (2004 a 2014) e sócia do escritório Vereda arquitetos (2016 a 2019). Atualmente desenvolve projetos e pesquisas de modo autônomo e em parcerias diversas. É professora de projeto na Escola da Cidade e na FAU-USP.

Pedro Varella
Pedro Varella é arquiteto baseado no Rio de Janeiro. Tem graduação e mestrado pela FAU-UFRJ e desde 2016 atua como professor em diversas instituições. É sócio fundador do coletivo gru.a, através do qual desenvolve trabalhos de diferentes escalas e naturezas, com especial interesse na interseção entre os campos da arquitetura e da arte contemporânea. Varella teve sua produção reconhecida por meio de prêmios e exposições, dentre os quais o Prêmio anual de Arquitetura do Instituto Tomie Othake AkzoNobel (2015 e 2019) e o primeiro lugar no concurso nacional para o centro de preservação da casa de Rui Barbosa (RJ, 2012). Recentemente, o seu estúdio gru.a foi finalista do prêmio DEBUT MILENIUM BCP, concedido pela trienal de arquitetura de Lisboa.

Deixe uma resposta